Sê confiante! Causa uma boa impressão

O segredo para se ser confiante, está no “sentir”. A autoconfiança é uma das armas mais poderosas que podemos ter na nossa vida. É o que nos permite expor as nossas ideias com assertividade, tomar decisões, escolher o rumo que queremos seguir. Permite-nos persistir mesmo quando o resultado final das nossas escolhas não é o esperado. Permite-nos identificar e valorizar as nossas virtudes e trabalhar nos nossos defeitos. 

A boa notícia é que a confiança que sentimos depende exclusivamente de nós e pode ser desenvolvida ao longo da vida. A má notícia é que, apesar de parecer bastante simples enumerar aquilo que este sentimento representa, colocar em prática nem sempre é assim tão fácil. 

Existem vários pequenos passos que nos ajudam a evoluir e a tornar-nos pessoas mais confiantes. Devemos procurar experiências que nos possibilitem sair da nossa zona de conforto. Quantas mais experiências vivenciarmos, mais iremos conhecer sobre o mundo e sobre nós, e maior será a probabilidade de encontrarmos oportunidades em que podemos experimentar sentir confiança em nós mesmos. Mais rapidamente iremos descobrir que até somos capazes de algo que nunca tínhamos pensado fazer, ou então, que somos capazes de superar aqueles medos que guardamos dentro de nós. 

Quanto às experiências negativas, ou às que não correrem como planeamos, devemos tentar fazer o exercício de olhar para o panorama geral e guardar a aprendizagem que de lá podemos retirar. Se calhar não conseguimos aquilo que queríamos, mas descobrimos que temos coragem para expor sentimentos e pensamentos, ou que afinal temos força para enfrentar desafios que nunca tínhamos imaginado. 

Outro aspeto muito importante para aumentar a autoconfiança é a forma como comunicamos, quer verbal como não-verbal. O lado positivo é que a comunicação é uma competência e que também ela pode ser treinada e melhorada. Devemos comunicar aquilo que pensamos e sentimos de forma assertiva, quer isto dizer, de forma objetiva e coerente, sem medo. Claro que nunca vamos estar 100% sem medo, só não podemos deixar que esse medo controle aquilo que fazemos ou dizemos. Aliás, não devemos ter medo de falhar, mas sim permitir-nos falhar. Acrescento ainda, que discursar de forma assertiva passa também por respeitar aquilo que o outro nos diz.

Por fim, devemos olhar para a autoconfiança como um processo. Não acontece de um dia para o outro e haverá dias melhores e dias piores. Aproveitem todas as oportunidades para crescerem, se conhecerem e confiarem mais em vocês. Quando puderem confiar em vocês será muito mais fácil para os outros também o fazerem. E o que é melhor que uma pessoa com confiança em si mesma para causar uma boa impressão?