Bots nas Redes Sociais – O Caso do Facebook

 

No artigo da última semana, foram abordados os vários tipos de bots nas redes sociais e como estes podem influenciar positiva ou negativamente a nossa navegação no mundo digital.

Apesar de estes não serem vistos como a melhor forma de atendimento pela maior parte dos consumidores, os bots têm-se revelado um recurso cada vez mais importante, principalmente para empresas de grande escala que necessitam de fornecer atendimento a milhares de clientes nas redes sociais. Assim, os bots constituem uma realidade nas estratégias de comunicação de muitas marcas nas redes sociais, principalmente no Facebook. A partir deles, conseguem otimizar o atendimento ao cliente e evitar que este não veja respondida a sua questão. 

Assim, no artigo desta semana, será abordada a maneira como os bots da rede social mais utilizada no mundo podem ser utilizados na estratégia de marketing de uma empresa.

Como funcionam os bots no Facebook?

Ainda que os bots tenham diversas utilizações, no caso particular do Facebook, estes desempenham um papel de automatização da interação entre os utilizadores. Neste sentido, a primeira forma de aproveitar este recurso prende-se com as respostas automáticas no Messenger. Esta opção encontra-se disponível nas páginas criadas e consegue ajudar o cliente a obter uma resposta quase automática, sem ser necessário ter um operador em tempo real para responder. Podem ser respostas dadas a nível de reservas para um restaurante, confirmação de uma compra, verificação de horário de atendimento, etc.

Como usar os bots do Facebook no marketing digital?

Um dos medos que surge com a implementação de bots prende-se com o facto de estes poderem substituir uma pessoa. No entanto, o caso do Facebook é diferente – ainda que este método de automação seja eficaz em algumas situações, a atuação destes bots é limitada. Isto significa que, ainda que este recurso seja maravilhoso e possa ser muito bem explorado, há situações em que o cliente precisa de contacto direto com um profissional. 

Há várias formas de explorar este recurso no contexto do Facebook, mas a  geração e qualificação de leads surge como uma das mais interessantes para um negócio. O próprio bot pode ser configurado para reencaminhar o consumidor para landing pages, e-books e outro tipo de conteúdos pertinentes e, sendo programados devidamente, chegam ao cliente no momento certo do funil de vendas. Por outro lado, os bots podem ser benéficos para qualificar as leads. Para tal, é preciso programar um conjunto de questões que ajudem a identificar em que ponto da venda se encontra a lead. Esse planeamento é fundamental para fazer uma boa gestão de leads. Uma boa ferramenta para trabalhar com esta vertente é a Driftbox da Drift – o bot interage com ele, de maneira natural, numa janela pop-up e, muitas vezes, o utilizador não entende que está a ser atendido por bots, tendo em conta a fase de venda. Aqui, é selecionada uma resposta pré-programada, que é definida a partir de pesquisas e da fase do funil de vendas e enviada ao consumidor, de uma maneira mais natural e personalizada. 

Em suma, os bots podem ser uma ótima forma de impulsionar um negócio no Facebook. Apesar de toda a conotação negativa que rodeia esta ferramenta, a sua utilização pode ser crucial para negócios que pretendam crescer (através da forma automática e, em simultâneo, personalizada, com que respondem aos clientes) e para negócios de grande escala, que já possuem uma base sólida de consumidores e seguidores no Facebook e querem manter uma boa imagem junto deles.

A Young Minho Enterprise presta serviços de criação de websites.

Ainda não está convencido? Visite o nosso portfólio ou algumas páginas que temos em mãos, como a TecniBuild e BabeliUM.