5 mandamentos de self promotion no LinkedIn

 

A escolha de um canal de comunicação para expor o nosso trabalho profissional deve ser algo pensado e decidido com base em justificações que vão de encontro aos nossos objetivos pretendidos. 

O LinkedIn tem vindo a crescer exponencialmente desde 2017, sendo que, atualmente, qualquer pessoa que esteja prestes a ingressar no mercado de trabalho, sente-se no dever de marcar presença no LinkedIn. Neste momento, caracteriza-se pelo papel estratégico tanto para empresas quanto para profissionais. Criando assim uma conexão com outras empresas que possam achar interessante aderir à causa, trazendo boa publicidade. 

Sendo assim, deixo aqui 5 dicas de como podes usar a autopromoção nesta rede:

 1. A primeira impressão conta

Quando alguém entra no teu perfil, as primeiras coisas que repara são a foto de perfil, a capa, o título e os cargos que tens. Quanto à foto de perfil, aposta em algo mais profissional, deixa as fotos artísticas para o Instagram ou Facebook, e utiliza um fundo neutro. Vejo este erro em muitos perfis, que é ignorar o uso da foto de capa no perfil, aproveita esse espaço para utilizar uma foto onde, por exemplo, estás em algum ambiente profissional (convenção, a dar uma palestra, etc.) ou então sobre informação que aches que faça sentido estar lá (uma espécie de cartão de negócio ou sobre o que fazes ou te interessas). Já o título e o cargo são muito importantes, porque servem, principalmente, para o algoritmo do Linkedin, ou seja, vai ser através daquelas palavras que as pessoas te vão encontrar. Por isso, tem cuidado com abreviaturas e excesso de texto no título. Mantém um título clean e que especifique aquilo que tu queres mesmo que vejam que estás a fazer.

2. Cria um perfil distinto dos outros 

Se apenas preenchermos as informações obrigatórias e básicas, como o nome, a empresa onde trabalhamos, etc., o perfil não tem valor para, por exemplo, num momento de triagem de currículos, saltar à vista dos recrutadores. Utiliza a área das recomendações para especificar onde és bom e aproveita os testemunhos de quem teve a experiência de trabalhar contigo. Para além disso, quando acrescentas cargos ou atividades, utiliza a área da descrição para adicionar fotos, certificados e escreve sobre o que foi aquela experiência.

3. Não te conectes com pessoas só porque sim  

Existe muito o pensamento de que uma vasta rede de conexões é vista como algo desejável, pois significaria uma grande rede de networking. Na verdade, isto apenas é importante se a rede que estiveres a construir for coesa e coerente. Procura sempre pensar se as pessoas que com que tens conexão trazem um verdadeiro valor para serem teus contatos. Usa a função de pesquisa para encontrar novas pessoas com as quais te podes conectar. 

4. Deixa a vergonha de lado e faz publicações

Um perfil com conteúdo e atualizado cai sempre nas boas graças do recrutador. Partilha os teus projetos profissionais, eventos importantes, palestras, formações, etc. No entanto, tem cuidado para não entrar por caminhos estreitos, como publicações com temas controversos e que podem gerar desprezo por quem está a ver o teu perfil.

5. Não tenhas medo de meter categorias “menos profissionais” no LinkedIn

Surge muito a dúvida se, por exemplo, “devia meter que fiz desporto federada”, “fiz voluntariado em x sítio”, etc. Do meu ponto de vista, estes tipos de coisas trazem humanidade ao teu perfil e também mostram proatividade. Se sentes que o teu projeto ou atividade vão enriquecer o teu perfil, está à vontade, no final de contas, somos todos diferentes e devemos ter orgulho no que fazemos.

A Young Minho Enterprise presta serviços de criação de websites.

Ainda não está convencido? Visite o nosso portfólio ou algumas páginas que temos em mãos, como a TecniBuild e BabeliUM.