Como criar a Identidade Visual?

 

Depois de percebermos a importância da criação da Identidade Visual para a consolidação da marca do seu negócio (ler artigo “Todos julgamos o livro pela capa”), é hora de entender quais as etapas para a sua criação. Apesar de ser um processo intrinsecamente criativo, dada a sua visualidade, o desenvolvimento da Identidade Gráfica deverá ser metódico e organizado, seguindo uma série de etapas cruciais que vão levá-lo ao sucesso. Vamos descobri-las?

 1. Briefing e Brainstorming

Qualquer projeto tem como primeiro passo um briefing e a criação de uma Identidade Visual não é exceção. Questionar é a palavra de ordem! Como descreveria o seu negócio/produto/serviço? Qual é o seu público-alvo? Quais são os seus concorrentes? Como quer que o seu público-alvo o identifique? Enquanto não tiver respostas para todas estas perguntas, não deverá avançar no processo. Estes dados guiá-lo-ão na construção da Identidade Gráfica perfeita para si. Tenha também atenção aos detalhes técnicos, tais como o orçamento disponível.

Feito o briefing, segue-se o brainstorming. Esta “tempestade de ideias” não passa de uma reunião com a equipa criativa e outras pessoas de interesse (funcionários e parceiros, por exemplo). É nesta fase que deverá ficar traçado o esboço do que virá a ser a Identidade Visual. O segredo é ir para esta reunião de mente aberta. Às vezes, a ideia inicialmente mais estranha pode tornar-se o caminho certo a percorrer!

1. Brand Persona

Antes de materializar a missão e valores do seu negócio/produto/serviço em imagem, é preciso transformá-los em palavras. Como pode ler no artigo “Os semelhantes atraem-se!”, criar uma brand persona permite definir a personalidade da sua marca aos olhos do seu público-alvo. Definindo que “voz” terá a sua marca no mercado, mais fácil será definir o seu “rosto”. Um que ande de mãos dadas com a forma  de comunicar com as expectativas que os (potenciais) clientes criam à volta da marca da sua empresa.

3. Estilo

A teoria está resolvida. Podemos agora dar asas à criatividade! As informações e dados que recolheu até este ponto ganharão vida com todas as cores e formas que tem ao seu dispor. Ainda assim, é preciso ter muito cuidado. Não há ninguém que conheça tão bem o seu negócio/produto/serviço quanto você. Porém, ninguém percebe mais de design que um verdadeiro designer. Também é preciso saber confiar em profissionais qualificados, uma vez que é a reputação da sua empresa e, por isso, também a sua que está em jogo. Uma equipa de designers motivada e apoiada por si tornará a Identidade Gráfica da sua empresa realmente edificante e inesquecível aos olhos do seu público-alvo.

3.1. Tipografia

O tipo de letra aplicada à Identidade Visual da sua empresa é responsável por identificá-la entre os seus concorrentes. Deve ser legível e concordante com os desenhos e cores. Muita atenção à Psicologia! Diferentes tipos de letra e respetivas fontes tipográficas imprimem diferentes emoções em quem as lê. Tipos de letra que emitem a caligrafia humana (Coca Cola e Cadillac, por exemplo) transmitem sobriedade e sofisticação, assim como as fontes serifadas – possuem recursos de extensão chamados serifas no final dos traços (usadas por marcas como a Zara, Tiffany&Co, entre outras). Fontes não serifadas (sem as serifas) são populares entre empresas que procuram retratar simplicidade, honestidade e clareza (ex.: LinkedIn, Calvin Klein, entre outras). Lembre-se que o tipo de letra escolhido não estará presente somente no logótipo da sua marca, como também em qualquer outra produção que envolva comunicação online e/ou offline.

3.2. Paleta de cores

No que às cores diz respeito, também é preciso ter atenção ao que nos diz a Psicologia. As cores despertam os sentidos, acessam as nossas memórias e evocam em nós conceitos de uma forma muito natural. É por isso que devem ser muito bem analisadas antes de aplicadas à Identidade Gráfica. Por exemplo, o azul simboliza a segurança, o sucesso e a produtividade, enquanto o amarelo transmite luz e otimismo. O vermelho inspira dinamismo, paixão, mas também perigo e intensidade. Deverá usar a cor verde se pretende transmitir calma, esperança e confiança. 

Como vê, o ingrediente desta receita chamada Identidade Visual não é só a criatividade.  É muito mais que pegar em papel e lápis para rabiscar. Tem em conta a combinação de parâmetros de várias áreas de estudo, entre elas, o Marketing, o Design e, não menos importante, a Psicologia. Daí a importância de ser metódico, organizado e de confiar em profissionais especializados, capazes de materializar o conceito que faz do seu negócio/produto/serviço aquilo que é. 

A Young Minho Enterprise presta serviços de criação de websites.

Ainda não está convencido? Visite o nosso portfólio ou algumas páginas que temos em mãos, como a TecniBuild e BabeliUM.