Rir nunca foi demais

O humor é uma das melhores armas no que toca à captação da atenção do leitor ou espectador, no entanto, este pode ser prejudicial se não for utilizado da maneira correta! Para não dar um tiro no seu próprio pé, neste artigo, vamos apresentar alguns cuidados a ter aquando da sua utilização. 

Com mais de 2 milhões de publicações todos os dias, não é fácil criar conteúdo que se destaque. Se, por momentos, funcionaram textos monótonos e apenas à procura da interação, nos dias de hoje isso já não funciona. Para ser captada a atenção do consumidor é necessário uma escrita agradável, que seja informativa para o leitor e, se possível, com alguma diversão à mistura. 

De facto, o humor apresenta, também, vários formatos: humor político, humor autodepreciativo, humor de estereótipo, humor da atualidade, entre outros. O formato que deve utilizar na comunicação depende de quais os  sentimentos que quer transmitir, o melhor a utilizar é o humor da atualidade, ou seja, o humor que vai de encontro e brinca com a situação que o mundo, o país ou até a sua segmentação de mercado está a passar. Através deste tipo de humor, o consumidor de conteúdo têm o sentimento de inclusão, aumentando, assim, a sua atenção e a quantidade de informação retida. 

Para aplicar esta estratégia, é necessário um conhecimento aprofundado do nosso produto. Nos produtos correntes com um preço baixo, é mais seguro usar o humor do que em produtos de luxo ou que impliquem um maior investimento, isto deve-se, fundamentalmente, à perceção que as pessoas têm desta estratégia. Quando estamos perante um produto mais vulgar, como iogurtes, as pessoas gostam de se enquadrar no humor pois ficam mais confortáveis com o produto e ficam motivadas para a sua compra, contudo, se analisarmos um produto com um custo mais elevado como um carro, o comprador necessita de sentir uma posição de maior seriedade e maior entendimento, pois irá entregar uma grande quantia de dinheiro para obter o produto, assumindo uma posição mais rígida no momento da compra, o torna o uso do humor, uma estratégia mais arriscada. Outro cuidado a ter na aplicação desta estratégia é a moderação, quando o humor começa a ser utilizado demasiadas vezes, o consumidor entende isso como falta de genuinidade. Não se pode, também, perder o profissionalismo, ou seja, pode-se usar o humor tomando como referência o público alvo e as exigências do mesmo. 

A Young Minho Enterprise presta serviços de gestão de redes sociais.

Ainda não está convencido? Visite o nosso portfólio ou algumas páginas que temos em mãos, como a TecniBuild e BabeliUM.